Beth Valentim

Meus pensamentos

by Beth Valentim em agosto 26, 2014 | 3:50 pm

images[4]Meus pensamentos…Sempre os buscava e onde estivessem eu queria vive-los…

figura reproduzida

Desde pequena vivia com um turbilhão de ideias rondando a minha mente. Algo como um zumbido ficava mostrando que eu teria que ser alguém que sempre sonhei. Não importava se fosse dar trabalho ou se a minha família me avaliasse como esquisita, estranha…porque dentro de mim morava o desejo enorme de sair por aí e descobrir pessoas, ler, enfrentar almas difíceis e compartilhar a vida com elas em harmonia.

E sendo assim, a vida me ensinou muitas coisas. No inicio achava que seria fácil conviver com tudo, seja no colégio ou quando fosse escolher a carreira. Sei lá o que eu gostaria de ser, sinceramente nunca havia imaginado ser algo especificamente falando.

E o tempo passou. Vivi problemas, era quieta, mas ao mesmo tempo a inquietude do coração transbordava. Subia e descia ladeiras em minha bicicleta. Fazia curvas. Esperava o transito passar. Olhava para o sol, vislumbrava a lua.

Minha família era interessante. Eu a amava, mas tínhamos comportamentos tão diferentes. Todos se respeitavam muito e quando desfrutávamos de um passeio, viagem, meu pai cantava dirigindo o carro e todos faziam o coro para alegra-lo, embora a música fosse de matar de cafona.
Mas uma coisa é certa. Se amamos alguém e esse alguém tem um jeito diferente, mas que o faz feliz, por que não entender e aceitar. Deixar de lado as criticas, julgamentos…Fazer de conta que é gostoso ser assim se lhe faz bem.

No entanto a vida não é assim tão simples, não é mesmo?
As pessoas apontam erros, manifestam suas criticas como se fossem teorias fantásticas. Visitam nosso intimo sem ser convidadas. Tiram nossa pele para ver o que está por dentro sem permissão. E por que isso acontece…

Meus pensamentos são tão românticos, talvez subjetivos demais e é melhor guarda-los, porque nem sempre os olhos da alma estão espertos para entendê-los.
E enquanto a vida foi crescendo em mim e fazendo-me adulta, senti coisas impressionantes. Frustração, compaixão, medo, alegrias, tristezas e decepções, mas, contudo uma coisa me fez continuar inteira e me amar mais, percebi que o amor próprio era no final das contas, respeito. Respeito por minha pessoa como ela é, pela individualidade. Aprendi que as pessoas são diferentes e antes como eu falava muito, resolvi falar menos e observar mais. Olhar com olhos macios e não com a dureza de um olhar avaliativo.

E quando agora me vejo distante daquele tempo, sinto saudade daquela luta, mas tenho certeza que outras estão por aqui para serem superadas.
Talvez tenhamos que nos transformar em belos guerreiros todos os dias. Covardes não acordam bem, certo? Valentes dignos, sim, são tão bonitos e despertam com seus olhos de luz.

E assim são meus pensamentos…Eles que vão e voltam de um tempo a outro, mas quando se juntam, unem-se, ficam assim, talvez sensíveis demais ou quem sabe, de acordo com quem os lê e avalia, fortes, muito fortes.

E para quem ainda duvida que viver é atravessar muitas ideias, reflexões e deixar os pensamentos fluírem, aqui estão os meus, e, acredite: eles me ensinaram muitas coisas lindas. A mais importante é que a vida não é simples, mas a felicidade, pelo contrário, é simples e nos espera sempre de braços abertos…Sendo assim, nunca se esqueça, faça a sua parte, pequena que seja, mas somada a outras tantas vai resultar em um benefício grandioso.

Siga Beth Valentim no Facebook, Twiiter, Pinterest. Google+ e no Blog:

http://bethvalentimcoisademulher.blogspot.com.br/

O amor nas redes sociais

by Beth Valentim em agosto 7, 2014 | 4:32 pm

images[5]…Ei! Já esteve em uma situação como essa? Cuidado! Você pode estar sofrendo da Síndrome das Redes Sociais…

figura reproduzida

Papo sério esse, claro que você já se pegou rastreando os passos do ex ou da ex ou mesmo da atual ou do atual. E apesar das dores no estômago, do ciúme, da posse, das fotos dele ou dela sorrindo e parecendo estar feliz mesmo depois do término, continua no desespero de olhar, investigar, entrar no facebook, instagram etecetera e tal dos amigos da tal pessoa e a vida torna-se um inferno.

E no amor a coisa pega, evidente que tudo por ali é escancarado. Aquele comentário sutil que deixa no ar mil e umas interpretações. A roupa que você deu de presente e agora faz parte de night do ex ou da ex. E os lugares que somente vocês dois frequentavam? Aquele restaurante a luz de velas, o bar gostoso de curtir, a estrada que mesmo sem seta alguma ou placa você reconhece na palma da mão. Pode isso?

Não pode, mas que o vicio está propagado, está.

A ex amiga é alvo de especulação. Sai com as outras e as tais outras nem avisam. Você fica cabisbaixa, afinal a crise de rejeição vem com força total nesses casos. Pontuo aqui o lado feminino de ser, porque mulher sofre demais com esse fato. A viagem que tanto planejou com elas, e, agora está fora da jogada…Preferências a parte, é de doer mesmo…Mas prefere seguir, consultar, ver de novo…Afe…

Bem, já escrevi por aqui que todos no instagram são instafelizes, aliás, #instafelizes, claro. E ninguém iria postar uma foto nas mídias sociais chorando, descabelada ou descabelado, com ares de quem está vivendo uma crise, certo? Então, isso quer dizer que estar sorrindo, com tudo em cima não quer dizer que a felicidade esteja adorável. Mas você quer porque quer acreditar que a ex ou o ex está vivendo o paraíso, curtindo horrores e o melhor é ficar mesmo triste e sentindo-se infeliz porque foi deixada ou deixado de lado.

O amor nas redes sociais tem mesmo dado o que falar…Todos nos tornamos investigadores, mas por vezes precários. E aprendi que “quem procura acha” e se continuar investigando vai encontrar mesmo.

Confirmar presença em uma festa? Isso é verdadeiro, falso ou nenhuma das respostas anteriores?
Saiba que a alternativa “C” é a mais correta. Quem diria que agora esse espaço virtual também confunde no quesito evento…Você compra roupa nova, até lingerie, e, chega na tal festa o tal ou a tal nem apareceu. E no caso do homem fica todo todo a procura da garota, mas ela também já aprendeu que o melhor a fazer é dizer que vai, confirmar, e, ir para outras bandas.

Então por que você continua nessa de procurar e encontrar e preferir passar o dia desesperada ou desesperado porque viu algo que poderia ser verdadeiro ou falso ou então, “nada a ver”…Bem, a escolha é sua. Nesse mundo a orgia da felicidade existe como jamais existiu e é até mesmo bom que todos sejam famosos por um dia para aliviar as dores, a melancolia, sair da rotina…Mas timbrar os fatos como se fossem lei, cuidado, mas cuidado mesmo, porque o que parece nem sempre é e muito mais o que se diz por ali é de fato real.

O amor e as redes sociais tem crescido até na troca entre as pessoas, muitos se conhecem por ali e até começam a namorar, casam, enfim, tudo vale a pena, mas não perca seu tempo validando seus sentimentos nesse espaço de ninguém, porque por ali falam o que querem ou mesmo deixam o silêncio aterrorizante de que há dias a pessoa não entra por lá, por cá, por acolá…Ufa! Deve ter casado! Noivou! Conheceu alguém importante…Agora já era..

Eu hein, por favor sai dessa! Curta esses momentos para usar com sabedoria porque em terra de ninguém quem é rei? Quem seria rainha?

E por falar em amor, seja tradicional, porque ele ama isso, viver em paz, sem discórdia, e, ainda não está acostumado a ser “marcado”, “compartilhado” receber “#” e outras patentes mais…
Combinado?

Siga Beth Valentim também no Facebook, Twitter, Pinterest, Google+ e no Blog: http://bethvalentimcoisademulher.blogspot.com.br/

Meu querido ex

by Beth Valentim em julho 15, 2014 | 7:29 pm

tumblr_lrnx171b2f1r3p8jmo1_500_large[1]Ah como vivemos como se a vida fosse encantada e pensamos que o castelo inventado é o único do paraíso. E na tal Terra do Nunca vamos vivendo como se a vida fosse salpicada do pozinho de pirlimpimpim. Não seria a hora de tirarmos as vendas dos olhos e enxergar a vida com realidade? Talvez doa mais, no entanto, depois, a ferida será bem menos profunda.

E sobre aquele amor idealizado, especializado em desdobrar suas emoções, onde está? Caiu por terra, saiu de cena ou anda com os pés machucados pelas avenidas da vida…Não tem jeito, ex é ex e se for para sofrer, tudo bem, faz parte, mas todo cuidado é pouco, não se encante demais ou deixe demasiado de lado a sorte de poder viver instantes mágicos. E por que não?

O tal querido ex tinha tudo para dar certo. Tinha? Quem poderia afirmar…No fundo suas histórias eram a arte da vida às avessas e em vez de você criar um mundo real, saiu levitando e incendiando o texto que deveria ser escrito pelo racional – ponto 1 do cuidado.

E quem não vive algo assim…Todos nós, todas nós – ponto 2: pegadinhas da vida.

Que delícia sentir a paixão latejando na alma. O corpo fica macio, a pele esticada para receber mimos…E quando aquelas palavras tilintam nos ouvidos, o coração se abre para receber mais amor, mais tudo, aquele tudo que deixa os arrepios em formato de ângulos indecifráveis – ponto 3: alerta.

Meu querido ex é aquele que despertou o profundo. O seu também, não fez por menos. Claro, sentir-se amada, amado, desejada, desejado e com o tom de posse gostoso que mexe e remexe as entranhas é bom demais. Os dias parecem noites e a madrugada existe? Cansaço? Que nada! Se o tal ex é dos bons as horas não passam, os instantes são impressionantes e as rasuras do amor desaparecem. Afinal, um novo livro de contos de fada foi aberto e nada como aproveitar suas letras – ponto 4: saia do tapete mágico.

E se um dia você viver algo assim, quem sabe vai entender o que falo. Se já sentiu esse trejeito da vida, sabe muito bem que nada melhor do que ter um querido ex, desde que quando for embora não deixe marcas, porque ex que faz adoecer a vida é mesmo de matar – ponto 5: cilada.com.

Mas enquanto os anos passam nada como ter um ex que possa ser contada a sua história em uma roda de amigos. Quem não teve um fica com o peito vazio, com a sensação de que nada viveu. Pois é, como viveríamos sem emoções…Elas aquecem, apetecem a felicidade e também as tristezas, mas enquanto duram podem ensinar, fazer refletir ou mesmo entender que quando se fala de amor tudo pode acontecer, o provável e o improvável, mas como controlar tais sentimentos – ponto 6: escolhas.

E porque a vida vale a pena e os tais ex também cuide bem dos seus passos, porque diante deles existem jardins do Éden, mas também valas do puro inferno – ponto 7: e o que eu fiz com a minha vida?

Pois é…

Siga Beth Valentim também no Facebook, Twitter, Google+, Pinterest. Site: www.familia.com e no blog:http://bethvalentimcoisademulher.blogspot.com.br/

*** figura reproduzida

Quando a gente pensa que não vai acontecer mais nada, acontece tudo…

by Beth Valentim em maio 6, 2014 | 1:32 pm

*** Sabe aquele momento de loucura que todo mundo vive? Pois é, aqui está o meu***

Ah que paixão danada...

Ah que paixão danada…

figura reproduzida

E quando entrei em casa o telefone tocou, seria alguém especialíssimo? Porque o telefone tocar hoje em dia, sabe como é, e dizem por aí: é prova de amor…E deixando tudo cair no chão, não deu outra, era quem não via há tanto tempo, nem ouvia e meu coração começou a explodir.

Existem fogos de artificio por lá? Isso mesmo! No coração! Mas tenho certeza que naquele momento eu podia até sentir o cheiro de queimado, perceber as luzes faiscando em meus olhos e tudo foi ficando como se eu tivesse quinze anos. Aquele jeito de menina metida a mulher e que não se contém…

- Alô – diga-se de passagem, tremendo demais…
- Tudo bem com você? – aquela voz que me arrepiava a alma respondeu…
- Muito bem, ando repleta de novidades e…

Ele me conteve, já conhecia meu jeito de dizer: “fiquei superfeliz porque me ligou”…
E ria do outro lado, porque já sabia que eu estava respondendo com tudo de mim e nada mais poderia ser feito…

E sem controle, com tudo ou nada…eis a questão, resolvi aceitar o convite para passear de carro…Era uma manhã linda e o sol ardia em meu rosto olhando pela janela o mar azul que ele adorava.

E quando depois vim para casa, depois do encontro fortuito, aqueles que você tem só para matar a saudade, pois é, eu sonhei acordada com seus beijos úmidos, levemente úmidos, os toques rudes e sensíveis e com o pedido para deitar a cabeça em seu peito…

E quando depois eu acordei no dia seguinte, parecia que a vida tinha girado rápido demais. Esqueci as mágoas porque a saudade era enorme. Deixei de lado a tristeza, porque seu corpo fez renascer o meu…E como se fosse a primeira vez deixamos um toque de nós dois no outro, aquele cheiro danado de paixão desgovernada e que nem por um decreto some, apaga ou mesmo se esquece…

Tudo ou nada…eis a questão. Já fui com tudo e fiquei com o nada, mas também já escolhi o nada e me faltou o tudo, então, deixa para lá os blábláblás, porque na minha vida eu quero mesmo é viver o que é bom…

Você discorda?

Tudo bem, faça suas opções, mas deixe as minhas como estão, porque eu suporto estar como sou e se não for resolvida ou resolvido é melhor continuar na mesma.
Combinadissimo, então…

                                  Siga também Beth Valentim no Facebook, Twitter, Pinterest, Google+ e em seu  Blog: http://bethvalentimcoisademulher.blogspot.com.br/

 

E o que significa “tudo em cima”…

by Beth Valentim em abril 15, 2014 | 4:25 pm

Para muitos “tudo em cima” significa estar de bem com o corpo, dentes claros, bochechas em alta porque se descerem é sinal de que o tempo está passando e deixando marcas. E tantas outras alegorias são esperadas por gente que imagina que a fachada é o principal elemento de troca, ledo engano, no fundo o que permanece é o que dentro preenche a alma, quando o amor é retribuído, quando até as desavenças são para que possamos entender e crescer na vida.

Tem gente que esnoba a humildade, mas ser humilde é mesmo algo que não cabe em corações pequenos. Nesses tipos de corações cabem orgulho, vaidade, olhares pernósticos e ironias, mas não cabem sentimentos que enobrecem a vida.

Vitrines reluzentes nos chamam atenção, é verdade. Gostamos de coisas bonitas. Faz parte olhar um vestido de seda e ficar de boca aberta, uma camisa que com seu corte faz esquecer por segundos os cortes profundos do sofrimento. Sapatos. Meias finas ou não. Maquiagem. Bijuterias ou joias. Como gostaríamos de entrar em uma loja e adquirir peças e que fossem enfeitar o corpo, não é mesmo? Mas ter certeza de que vai sair de casa com “tudo em cima” é outra conversa.

Você pode sair de rasteirinha e sentir-se no salto agulha. Você pode sair de cara lavada e sentir que sua alma é a cara da beleza. Você pode ter a carteira recheada de dinheiro, mas quem te faz feliz é a força motriz da liberdade. A que vai te dar o direito de fazer bons lances, voar alto, sair por aí sem que a lama cubra o sorriso e sim, que a alegria desperte a cada minuto o semblante “tudo em cima” que só pode ser conseguido se estiver com desejo de vive-lo.

Pois é, como damos importância a grandes coisas quando somos felizes com tão pouco. Como pode um mendigo sorrir para você ao receber apenas uma moeda. Sabe? Com aquela moeda ele entende que com mais outra vai conseguir mastigar algo que o nutra, não chicletes importados ou coisa assim, mas aquele pouco que pode transformar seu dia e deixar “tudo em cima”.

E se ainda assim você se sentir pequeno ou pequena diante das conquistas, acredite, poderia começar a fazer diferente daqui para frente. Aceitar o tal mínimo como se fosse o máximo. Ser simples e coberto de ternura, carinho, dignidade, superação, afinidades boas, amor, enfim, com “tudo em cima”, mas de verdade e não com sonhos impossíveis ou as tais alegorias…

Isso sim vale a pena…
Assim se vive. Assim se sente a vida e não com escudos de preciosidades, mas com a plena realidade e é nela que encontramos o que somos e o que realmente temos dentro de nós.

Siga também Beth Valentim no Facebook, Twitter, Instagram. Google+, Pinterest e No seu Blog http://bethvalentimcoisademulher.blogspot.com.br/

Sentir-se livre é um estado de leveza e não de riqueza...

Sentir-se livre é um estado de leveza e não de riqueza…

E apenas em um dia

by Beth Valentim em janeiro 18, 2014 | 12:15 am

tumblr_m37s9xQTo71qmfrbjo1_500[1]…Melhor assim quando a gente sente que vai ser mais feliz…

figura reproduzida

Naquele dia eu acordei com a sensação do desgosto ou mesmo do adeus cintilando em meu coração. Me vi nua como jamais me vi ou senti. Calei a boca como jamais calei para não dizer coisa alguma perante o que estava sentindo. Selei meus olhos e deixei de enxergar o próximo, ou a média distância e o que estava longe, então, bem, eu não queria mesmo saber ou ver ou ter que enfrentar.

E enquanto estava diante de tantas ilusões desfeitas finquei as estacas em meu coração. Nele sentia saudade, mas não era mais possível ter essa saudade perto de mim. E em apenas um dia eu me despedi do passado. Entortei meus braços diante do corpo para me defender dos inúmeros sentimentos que queriam me atacar e deitei…e chorei…e revivi lembranças…e as memórias vinham sem pedir licença…E mesmo assim eu adormeci de cansaço, até porque o amor é o veneno letal dos enamorados que determinam que não desejam mais sofrer.

E apenas em um dia eu resolvi deixar de lado nossos corpos entrelaçados, os lábios úmidos de paixão e os suores misturados.

E apenas em um dia em me olhava diante do espelho preso na parede e apenas a minha imagem era refletida.

E apenas em um dia a nitidez da vergonha de não ter podido enfrentar os dissabores me tomavam conta….

Como enfrentar um dizer adeus sem cortar a alma em pedaços. Como fazer escolhas que supõem ser as melhores mas no fundo são as corretas e apenas nos afastam das fantasias. Como…como…como…

E enquanto eu sinto e você sente essas coisas da vida o tempo nos ensina tanto. Nos diz a hora de começar e de parar. De sofrer e de se alegrar. De desejar e de deixar de lado o frisson de emoções que esgarçam a gente por dentro…

E apenas em um dia, como menos se espera, percebemos que continuar é melhor, que fazer a curva seria o desejável e retornar apesar de doer demais, talvez fosse a melhor opção.
Quem sabe…quem sabe…quem sabe…

Como explicar um sentimento assim que não deixa vestígios de respostas. Como…como…como…

E é possível que em apenas um dia você mereça ser feliz, eu também, dosar as medidas da realidade e quanto ao equilíbrio, que venha para enfrentar os delírios, os impulsos, porque mesmo se sentir gostar como esse gostar gosta é algo do impossível continuar.

E se você também sente algo impossível, cuidado. Deixar-se levar pelas sensações inebriantes pode ter que também deixar de lado a sua alma e saiba, sem ela o seu coração não vai conseguir ser ele por muito tempo.
E como ele conseguiria ser…

Siga também Beth Valentim no Facebook, Twitter, Pinterest. Google+ e nas páginas “Essa tal felicidade” e “Beth Valentim” escritor.

 

Enquanto você dorme eu sonho

by Beth Valentim em dezembro 27, 2013 | 7:17 pm

images[2] (19)…E enquanto eu viver vou sonhar em ser ou estar, mas sempre ficar de bem com a vida…

figura reproduzida

Sim, sonho com tantas novidades que tocam o meu coração. Principalmente com a valentia de minhas garras que me surpreendem quando estou entregando os pontos. A tortura de esquecer um amor, de deixar de lado as hipocrisias alheias. Viver o mundo com a fascinação do crepúsculo dos dias interessantes…Quantos são os sonhos que eu tenho, que me levam de carruagem até o céu e por entre as nuvens desperto como se em minha alma acendesse o fogo da paixão desgovernada.

Enquanto você dorme eu sonho. Sonho em ser grande apesar de começar pequeno. Sonho em caminhar por entre as fumaças inventadas e tocar as estrelas. Sonho viver cada momento como se fosse único. Sonho amar como sempre amei, mas muito melhor nas caricias e trocas em que fazemos um ao outro. Seja quem for e como for…

Enquanto eu sonhar e você dormir meu caminho vai estar livre. Somente as trovoadas podem espantar por segundos meus passos, mas o clarão da lua irá vencer o medo, vai mostrar a direção e apontar a cancela que me leva a ser feliz.

Enquanto você dorme eu sonho porque não perco tempo. Não perco tempo com caras feias, abraços frouxos ou desdéns idiotas. Sou mesmo aquela pessoa que você determina para alvejar, mas não consegue porque sou feita de pó de ouro e com a cobertura de diamantes.

Os que dormem enquanto eu sonho são os que imaginam ser melhores, mais felizes e realizados. No entanto são apenas os que descansam enquanto a vida me oferece tanto e que eu ajoelho e agradeço e lacrimejo por me emocionar com tantas conquistas.

E enquanto eu sonhar o mundo será assim como imagino. As portas se abrem, os vidros são translúcidos. Os tetos são polidos e me deixam ver o tapete salpicado de luzes que cobre o céu…E enquanto eu viver vou sonhar e determinar meus objetivos. Sentir o vento na pele e me engrandecer por dentro por respirar ar puro, porque o impuro, aquele que me fazia tão mal, acredite, nem sinto mais sua presença, sequer sua desavergonhada vontade de me deixar intoxicada. Pode estar certo ou certa, porque enquanto eu sonhar serei uma rainha, uma princesa, o rei ou o mágico, mas serei sempre alguém que irá a luta e depois sonhar de novo e começar tudo outra vez.

Sem medo algum é o meu entretenimento favorito. Ele me desperta. Ele me entusiasma. E eu, como sonho na mesma intensidade que conquisto, sou a personagem que pisa leve quando é preciso e forte quando abate fantasmas que se deixam levar pela arrogância e sempre perdem diante da altivez da dignidade.

 

Siga também Beth Valentim no Facebook, Twitter, Pinterest, Google+

No blog: http://bethvalentimcoisademulher.blogspot.com.br/
Também na página https://www.facebook.com/pages/Beth-Valentim/353994791376384?ref=ts&fref=ts e https://www.facebook.com/pages/Essa-tal-felicidade/143113675837995?fref=ts

Aqueles belos sonhos

by Beth Valentim em dezembro 2, 2013 | 3:00 pm

imagesC46ZASJN…E quando uma mulher que nasceu não começou a sonhar…

figura reproduzida

Uma homenagem a mulher que sobreviveu a esse ano de pulos, saltos e conquistas…

Nascemos. Sorrimos. Sentimos o cheiro do mundo. Ele nos atrai. Ele nos faz crescer. Ele nos concede alegrias, dores, tristezas, felicidade…E aqueles belos sonhos logo surgem tímidos, mas presentes. Nos dizem coisas que nem acreditamos – que podemos ser lindas, maravilhosas. Sensuais, sentimentais sem perder o equilíbrio. Viver tropeçando, mas saber se equilibrar…E nesse vai e vem de belos sonhos quando nos deparamos com a realidade, é como se perdêssemos aquele sapatinho como na história encantada e pelo meio do caminho ficamos tontas e não sabemos como seguir assim, descalças, com um dos pés nu, mesmo os dois lindos como estão e delicados…e fortes…E optamos por continuar, sem medo, sem vacilar…

O que acontece que o coração escorrega e se esvai e se ressente…Seria porque sonhamos tanto ou desejamos de maneira equivocada. Será?

Sonhos, quantos deles temos. Sentimos saudade do que nem vivemos. Queremos um príncipe, mesmo sabendo que não existe. O vestido esvoaçante que solte estrelas em nuvens brilhantes. E sapecas sorrimos diante de vitrines translucidas como se nos apaixonássemos outra vez…Sempre outra vez, como a primeira vez de uma mulher.

Voos altos todas nós demos, não é mesmo?
Aquela casca sensível demais do passado foi rompida.
Aquele rosado envergonhado das bochechas ficou nítido. Puro. Transparente.
E enquanto a vida passa nos sentimos fortes, belas, justas, impressionantes como lutadores vencedores e ainda assim sonhamos como antes…Aqueles belos sonhos que jamais deixaremos para trás, porque somos fêmeas, e desavergonhadamente femininas e possuímos o cheiro do perigo, da essência da vida, do ventre fértil que concede prazeres…E como não sonhar e como não querer prosseguir e vencer, e lutar e romper…Cortar. Ressurgir. Renascer…

Aqueles belos sonhos estão juntos de nós desde a infância. Imitar o lindo, desejar o espetacular. Sentir o mínimo e abraçar o máximo. Varrer a poeira e soltar fagulhas, e nesse vai e vem feminino estamos aqui a celebrar mais um ano, mas um tempo, mas um tudo de nós. E como não sonhar, não é mesmo?

Que venham mais dias, meses, anos, porque aqueles belos sonhos serão sempre nossos… Sempre…E quem ousar nos amarrar de novo, nos extirpar a força que construímos, fique sabendo que não vai conseguir entrar por entre as portas construídas com punhos de ferro e na cor carmim, esculpida com as garras de mulher guerreira e que mesmo no tropeço requebra, solta a voz e fascina.

Essa somos nós, nuas ou não, entregues nos braços de um homem ou caminhantes em avenidas prósperas, enfim, os belos sonhos pulsam nesses corações queridos, no peito que se desdobra para vencer cada dia e pode ter certeza, mesmo doendo, sendo muitas vezes duro de viver cada dia feminino, não abrimos mão jamais de ser o que somos.

Assinado: UMA Mulher Especial…

Siga também Beth Valentim no Facebook, Twitter, Pinterest, Google + e em suas páginas “Beth Valentim” e “Essa tal Felicidade”.

Baixe o eBook de Beth Valentim: https://itunes.apple.com/br/book/coisa-de-mulher/id640109361?mt=11

Equilíbrio ou perfeição

by Beth Valentim em novembro 4, 2013 | 4:01 pm

tumblr_ldmd21mM7U1qeptz2o1_500[2][1]…Aos poucos seus passos vão tomando rumo e acertando as metas…

figura reproduzida

Em épocas passadas talvez você como eu buscasse a perfeição. Tudo tinha que fazer sentido – a cintura marcada, os músculos, a pele, os traços bem traçados e as roupas com o caimento que valorizasse curvas e preenchesse depressões. Enfim, tem uma época em que somos reféns de quase tudo. Se os olhos ficam opacos sentimos mais tristeza ainda. Se quem estiver ao lado não satisfizer as necessidades, é o fim do mundo. E por ai vão as chamadas constantes que nos fazem cansar durante muito tempo e quando mais tarde nos olhamos com sabedoria, entendemos que o que vale a pena mesmo é o equilíbrio.

Não possuímos mais a pele lisa, mas o coração está em paz. Quem sabe as gargalhadas sejam comedidas, mas fazem menos barulho. Muito mudou, coisas e fatos modificaram o contorno e como qualquer pessoa mais abençoada pela sabedoria diria, “agora você está pronta ou pronto para ser feliz”.

Feliz porque entende que esperar é preciso. Que não devemos despertar o amor se ele não tem sentido. Que quando encontramos alguém que mexe com a gente e já não é mais possível viver um relacionamento, enfim, não se mata a saudade e sim desperta a saudade. E no trabalho nem se fala, aprendeu a calar, a falar menos e a colaborar mais. Ter foco em vez do observar os erros das pessoas, começou a aprender a crescer.

Perfeição é obra do Criador, jamais nossa. Queríamos muito ser perfeitos, ter tudo combinado seja no corpo ou no que veste ou sente, mas não é assim que a vida se mostra. Ela quer algo que a faça sentir-se equilibrada, poder dormir e descansar em paz. Ser alegre na medida do possível e triste como o esperado, mas jamais de maneira que a faça desmoronar.

Somos mesmo o resultado de muitos aprendizados. E se ainda estiver naquela busca incessante por ganhar a “estrelinha”, cuidado. Essa sensação de que ela brilha e faz tudo reluzir é para o momento da infância e não mais na fase adulta. Agora é hora de aperfeiçoar e não tornar perfeito. É hora de aparar arestas. De assumir o comando dos passos e saber ser flexível e tomar decisões acertadas, que te levem a lugares privilegiados onde o ambiente é aprazível em todos os sentidos, principalmente para a saúde, para mente e para o coração.

Hoje não busco mais a perfeição, talvez você também já esteja nessa estrada. Se não, querida ou querido, faça o contorno e busque o equilíbrio, porque ele nos faz sentir seguros e a harmonia do viver é fundamental a felicidade.

Siga também Beth Valentim no Facebook, Twitter, Pinterest e Google +

Eu era daquelas que adorava histórias encantadas…

by Beth Valentim em outubro 1, 2013 | 5:03 pm

SONY DSCDas letras saiam estrelas, as nuvens pareciam de algodão doce e as entrelinhas ofuscavam a minha mente com suas luzes encantadas…Sim, mas que só eu enxergava…

figura reproduzida

Naquele tempo eu tinha a imaginação de uma menina. Fantasiava a vida. Vivia com meus sonhos soltos pela casa.

No caminho do colégio eu via a casa daquele garoto e suspirava. Logo virava uma história, encantada, claro. Ele abriria a janela e me veria passando e depois me esperaria na esquina e diria que me achava linda e se apaixonaria por mim.

Eram tantos sonhos…nem sei quantos, mas quando cresci e percebi que ainda trilhava por essas histórias, percebi o quanto paguei caro por isso.

Eu era bem sucedida em tudo. Na profissão não tinha para ninguém. Bonita. Inteligente. Talentosa. Charmosa. Elegante. Diferente, até. Mas no coração, ah, nem me fale, ele era um coração de criança como naquele tempo em que vivia nas minhas histórias concebidas pelo romantismo.

Apanhei feito doida. Sofri. Fui traída. Me fizeram de boba bem na minha cara. Olhava para mim como se não me conhecesse. Como isso poderia acontecer assim tão de maneira concreta e eu acreditando em cada frase, em cada atitude…

Foi quando me vi diante do espelho pessoal e emocional de mim mesma. Senti um arrepio profundo só de saber que fui tragada pelas fumaças de minhas ilusões.

Não me arrependi. Resolvi não me arrepender e sim superar. Afinal, do que valeria o arrependimento…Ele só iria me afundar, e, como sou inteligente, sim, não me envergonho em dizer que sou inteligente, sei reconhecer falhas e o meu potencial, então, usei essa mágica do intelectual retumbante em mim e segui em frente.

Hoje sou a mesma mulher. Romântica. Sonhadora. Que o amor é a sua principal causa. No entanto, cresci na carne, no osso que sustenta a alma e resolvi ser livre.

Olhando para mim me dei a absolvição. Não quis prender minhas amarras, minhas asas, minhas esperanças, mas resolvi viver um pouco de cada pouco de mim – o lado romântico e o lado adulto. Atualmente esses lados vivem em harmonia.

Quando saio enfeitada para viver uma noite estrelada. sou aquela menina de antes que adorava letras encantadas. E quando resolvo me posicionar, ah, não tem jeito – elas se encolhem, porque sabem muito bem que quem manda aqui, no meu peito que se doloriu tanto no passado, é verdade, quem manda aqui sou eu. Eu valente. Eu crescida. Eu mulher.

Se tem uma coisa que aprendi, foi que posso ter essa dualidade. Ser feminina e ter o lado forte das mulheres vencedoras. Ser romântica e possuir o elixir da fortaleza. Ter minhas fragilidades, mas acima de tudo a nobreza de minha própria natureza.

Eu era daquelas que adorava histórias encantadas. Confesso que ainda gosto, mas sou capaz de enxertar os trechos com frases lógicas e muito mais empreendedoras quando preciso ser a primeira do front, a que decide, a que torna capaz seus sonhos.

Nas páginas da vida existem ciladas, caldeirões de magias e também rasteiras. No entanto, vai depender de você, de mim, de qualquer pessoa vencer os desafios, seja sonhando ou entendendo que de um jeito ou de outro o certo é aprender a fazer ajustes. Eles nos acertam. Eles nos consertam. Eles nos fazem ver o inimaginável. Dói, mas é a realidade.

 

***Siga também Beth Valentim no Facebook, no Twitter, no Google +, Pinterest

 Leia seu Blog: http://bethvalentimcoisademulher.blogspot.com.br/***

perfil

Consultora em comportamento, Escritora, Poetisa, Colunista, Blogueira. Consultora em Desenvolvimento Pessoal. Mestrado em Psicologia Social. Autora dos livros "Essa tal felicidade" em eBook e Mequiel – O caçador de sonhos. bethvalentimcoisademulher.blogspot.com.br